Archive for Outubro, 2003

106686697365728485

Outubro 23, 2003

A pedido de muitas famílias foi incluído na secção “Bloga-mos” o link respectivo daquele que é já considerado o refúgio blogueiro dos jornaleiros da bola, verdadeiro speaker´s corner desta fauna sempre prespicaz, crítica e atenta ao fenómeno do futebol, essa fé que move montanhas.

Neste espaço participam activamente alguns colegas e amigos, mas a sua utilidade não se esgota nos posts e sondagens, extendendo-se mais além numa lista de links que será, sem dúvida, muito útil aos apaixonados da bola e também aos profissionais em busca de informação. Sirvam-se.

Anúncios

106677512768995525

Outubro 21, 2003

Há gajas que por onde passam, arrasam tudo! Vejam só o que a Isabel fez

106677456103991608

Outubro 21, 2003

Para os chapeiros, amantes da imagem, fotojornalistas e fotógrafos em geral – aqui está um dos melhores trabalhos que vi recentemente. Botem aqui os vossos olhinhos e vejam como se trabalha.

106667967324326203

Outubro 20, 2003

Crianças violadas e asassinadas, escutas telefónicas, corrupção e abuso de poder, ministros que caem, suspeitas que se levantam, matas que ardem, pontes que abatem, inocentes que sucumbem, culpas que morrem solteiras, inquéritos que ficam em águas de bacalhau, justiça que tarda, inflação que sobe, desemprego que desespera, patrões que fogem ao fisco, Scolari que não convoca Baía, Selecção Nacional que desilude, pornografia nacional publicitada internacionalmente, governo que não governa, árbitros que precisam de óculos, estudantes que protestam, estradas que exterminam, oposição que não apresenta alternativas, líderes que não dão exemplo, escandalo da pedofilia que se arrasta, comunicação social que chupa e espreme as vítimas até à última gota, chuva que não pára, créditos que se acumulam, tempo que passa, nação que se individa, envergonha e deprime pensando que Portugal precisa urgentemente dum Prozac.

Como já deu para reparar, o meu humor está como o país – cinzento, triste e resignado.
Vou mas é buscar mais uma bem fresquinha ao frigorífico e esperar por dias melhores…Salaam.

106548106404050056

Outubro 6, 2003

Há dias em que me sinto velho. Em conversa com colegas mais novos faço referencia a bandas de música portuguesa dos 80’s, filmes e músicas que marcaram a minha geração, livros e revistas incontornáveis, bebidas e roupas da moda (faz sentido falar em geração quando as diferenças de idade não chegam a 10 anos?) e os gajos encolhem os ombros na mais surpreendente ignorância! Mas isto mudou assim tanto em tão pouco tempo??…

Eu sei que o saudosismo dos 80’s em exagero até mete nojo. Não sou daqueles gajos que continuam a comprar o Blitz às terças, a defender que os Cure e os Smith “é que eram do carago!” e que o Batô terá sempre a melhor música do Porto. Não há pachorra para esses velhos do Restelo que cristalizaram há duas décadas. Há que evoluir, sem esquecer as referências, até porque, como bem sabemos, muitas músicas e lugares nos 80’s só foram especiais porque nós as tornamos especiais.

Portanto, se não se lembram de coisas como:

– O Jornal Sete
– Sunday Bloddy Sunday dos U2
– Calças dobradas acima do tornozelo
– Tequilha BumBum
– Remendos “FILA” nas calças de ganga
– Ler o “Pregão da Semana” no Blitz às terças
– Ter que pertencer aos betos, punks, rockabilly, psicos, skins, surfistas ou outra tribo qualquer
– Beber traçados nas tascas
– Esperar 10 minutos para o JetSet Willy entrar num ZX Spectrum
– Levar faltas a vermelho
– Ler em voz alta o auto da barca do Inferno de Gil Vicente nas aulas de português
– Usar Bel-hair no cabelo durante 5 dias seguidos
– 1500 paus bem espremidos davam uma boa noite de copos
– Pixies, Ramones, Exploited, Sex Pistols, Pogues, Dead Kennedys e Toy Dolls e outros que se
dançavam igualmente à biqueirada mas com uma mão no bolso
– Falsificar a assinatura dos postais para o Encarregado de Educação
– Esperar pela “abertura da pista” nas discos
– Comprar discos em vinil, fazer cópias em cassetes

É provável que afinal tenha mesmo mudado muita coisa em tão pouco tempo…
Enfim…nostalgias à parte, finalizo com um flasback literário dos 80’s – a revista K. A sua fugaz aparição no mercado criou uma legião de fans e tornou-se uma obra de culto ainda hoje venerada. Felizmente, um iluminado resolveu “repiscar” alguns dos artigos que nos faziam correr para as bancas no início do mês e apresentá-los em formato de blog. O respectivo link está na coluna da esquerda. Sirvam-se.